domingo, 4 de novembro de 2018

As Aves




As Aves

A dança-teatro “À Travers Ça” do Núcleo Contemporâneo das Artes (NuCA) e dirigida por Edson Fernandes tem como concepção a dança como processo de fundação. A cena é dividida por seis atores dançarinos que se utilizam, principalmente, do corpo para expressar ao público o sentimento da peça. E que sentimento seria esse? Eles são pássaros e, como pássaros, estão a construir um ninho para eles. Há destaque para uma das atrizes que representa a Natureza, aquela que vai marcando o terreno com suas folhas e galhos para que os pássaros possam atravessar. Os demais agem como pássaros que estão fundando um ninho-peça-teatro. Para isso se utilizam da dança como o fundamento do movimento, do agir, da vida. Há toda uma simbologia em nascer pássaro, em demarcar o terreno, em marcar com o giz o “buraco” em que irão construir seu ninho-cidade.

A direção para isso deve ser dada pelo legislador, aquele que ordena e direciona o movimento dos pássaros. Assim como na comédia de Aristófanes “As Aves”, há também o papel do legislador na peça: “É isto que nos leva a fazer esta viagem; munidos de uma cesta, de um pote de água e de ramos de mirto, vamos procurando por toda parte um lugar bem tranquilo, onde possamos nos instalar e viver nossos dias em paz”.
O legislador em “À Travers Ça” é aquele ator que permanece a maior parte do tempo a parte, apenas observando a atuação dos demais atores. Sua interação com os demais só se dá em breves momentos, momentos esses em que ele conduz, ou melhor dizendo, atravessa os outros pássaros na fundação do ninho-peça-teatro. Ele é o pássaro maior, o pássaro-chefe, o pássaro-legislador que quando dança, faz todos os demais dançarem ao seu redor. Ele é o criador máximo que em sua dança vai ordenando todo o ninho-criação. É nesses momentos de interação que a peça-dança vai ganhando coesão argumentativa e força dramática. Em um diálogo d’ “As Aves” podemos ver como se constitui a ideia de fundar uma cidade das aves:

PISTÊTAIRO: Construam uma cidade.
POUPA: Que cidade poderíamos construir, nós, as aves?
PISTÊTAIRO: A pergunta é tola. Olhe para baixo!
POUPA: Estou olhando.
PISTÊTAIRO: Agora olhe para cima.
POUPA: Estou olhando.
PISTÊTAIRO: Vire a cabeça para todos os lados.
POUPA: É mesmo; eu ganharia muito torcendo o pescoço assim.
PISTÊTAIRO: Você não está vendo nada?
POUPA: Nada além das nuvens e do céu.
PISTÊTAIRO: Pois isto tudo não é o polo das aves?
POUPA: O polo? Como assim?
PISTÊTAIRO: É o mesmo que dizer “o lugar”. Como tudo gira e atravessa tudo, aplica-se a isto o nome de polo. Se vocês construírem neste espaço e fizerem lá um recinto cercado de muralhas, isto não será mais um polo, e sim uma cidade; então vocês reinarão sobre os gafanhotos e farão os deuses morrer de fome como os mélios. (Aristófanes. “As Aves”)

As aves que circulam entre o céu e a terra tudo governam no espaço que se encontra entre o divino e o humano. Os pássaros atravessam o espaço que liga os humanos aos deuses e funcionam como intermediários entre o céu e a terra. Nessas condições, a construção de uma cidade de pássaros é dar-lhes o reinado sobre esses dois polos distintos. Em analogia com a peça, temos pássaros fundando sua própria cidade para que eles mesmos possam se encontrar. A dança é o movimento fundador na construção do ninho-cidade, criando identidade para a peça e para eles mesmos como pássaros que são, pois a fundação é o marco para toda a possibilidade vindoura. Dessa maneira, poderíamos dizer como a Polpa da comédia de Aristófanes: “É mesmo, pela terra e pelas nuvens, pelas redes e pelas malhas delas, nunca vi nada tão bem bolado! Estou pronto para fundar essa cidade”.


Ficha técnica
Autor: Edson Fernandes
Atuação e Dramaturgia: Ana Clara Spalato, Bruna Baletina, Clayton Fernandes, Júlia Oliveira, Mário Cortês e Pretta Moreno.
Direção: Edson Fernandes
Iluminação e design: Sid Rodrigues


Nenhum comentário:

Pesquise artigos filosóficos na internet

Loading