sábado, 28 de abril de 2018

O Prometeu Moderno


O Prometeu Moderno
Luiz Maurício B. R. Menezes





Se pensarmos que Prometeu trata de um legado deixado aos homens, um legado de fogo e artes, teremos o início de uma resposta, pois será essa mesma atitude prometeica do homem pelo avanço da ciência e das artes, que levará à gênese do Prometeu Moderno e também a sua condenação. E quando falamos de um Prometeu Moderno, não podemos esquecer da obra de Mary Shelley, “Frankenstein ou o Prometeu Moderno”, escrita há duzentos anos atrás. Qual o intuito dela ao relacionar sua obra com o mito de Prometeu?
Ao contrário da obra de seu marido, Percy Shelley, que nos apresenta um Prometeu resistente pelo seu amor à humanidade, o Prometeu de Mary Shelley apresenta a decadência humana, o rompimento do homem com Deus e a reminiscência do Paraíso Perdido. Se levarmos em consideração a criatura que ganhou vida, podemos ver nela a dor, o exílio e a condenação presentes no mito. No entanto, a nosso ver, não é a criatura que recebe a alcunha de Prometeu Moderno, mas o criador. É o criador que se chama Frankenstein, apesar de erroneamente associarmos o seu nome à criatura. Através do estudo da filosofia natural, o criador se utiliza da máxima arte para (novamente) roubar o fogo divino e dar vida a algo que ele construiu. Frankenstein roubou algo que pertencia somente a esfera divina, ele infringiu uma regra da natureza que dizia que os seres vivos só seriam gerados através da procriação ou através da interferência divina. Ele caracterizou a ruptura dessa regra e deu vida a uma criatura construída por ele apenas. Ao fazer isso, ele rompeu irreversivelmente com Deus e se tornou ele mesmo um deus na sua atitude criadora e vital. Frankenstein na sua ousadia divina acabou por condenar a si mesmo aos seus próprios grilhões:

“Por um momento, minha alma elevou-se acima de seus temores degradantes e miseráveis para contemplar as ideias divinas de liberdade e sacrifício de que aqueles lugares eram os monumentos e recordações. Por um instante, ousei romper meus grilhões e olhar ao redor com um espírito livre e elevado, mas o ferro corroera-me a pele, e eu afundei novamente, trêmulo e desesperado no meu miserável eu”.
(SHELLEY, M. Frankenstein ou o Prometeu Moderno. Rio de Janeiro: Ediouro, 2002, p. 167-8.)

Descartes em suas “Meditações Metafísicas” irá nos dizer que para todo efeito deve haver uma causa de poder igual ou maior ao efeito. Isso é uma das justificativas para haver um Deus como criador (causa) da criatura humana (efeito). No “Frankenstein”, Mary Shelley demonstra que sem Deus para se agarrar, o próprio homem se torna deus e, com isso, prisioneiro de si mesmo e do seu próprio pensar. O Prometeu Moderno é a solitude do cogito, é o efeito sem causa, é a condenação do homem à sua irreversível ação. A criatura da obra não é um ser invocado por magia, não é um construto sobrenatural, não é fruto imagético de uma mente desordenada, mas ela foi criada por ação da ciência humana. O criador e a criatura se fundem como peça única do método científico. O homem moderno é aquele que deseja o controle da natureza através do uso da ciência em princípio e fim, eliminando todo o fabuloso, toda a magia e toda a superstição da sua vida. Eis a sina do Prometeu Moderno.

Um comentário:

E que importa? disse...

A queda de uma peça de dominó pode acionar um mecanismo que ponha um prédio a baixo. Não é possível ao ser humano criar do nada algo. Ou alterar a essência das coiss. O "Prometeu moderno" apenas um simulacro arrogante. Vazio porque mortal e insuficiente.

Pesquise artigos filosóficos na internet

Loading