segunda-feira, 22 de agosto de 2011

XIV Colóquio de Filosofia da Unisinos: Objetivo e Subjetivo: novas tendências em epistemologia e filosofia da moral



http://www.unisinos.br/mestrado-e-doutorado/filosofia/apresentacao

8-10/11/2011
Objetivo’ e ‘subjetivo’ são termos frequentemente empregados em filosofia para dar conta de dois pólos diferentes da experiência humana: de um lado, o pólo subjetivo, representado no sujeito; de outro, o pólo objetivo, tido como exterior ao sujeito e identificado com o objeto. A separação, entre ambos, é, no entanto, motivo de controvérsia. Desde a era moderna, cientistas e filósofos (como Galileu, Locke e Descartes) ressaltaram que há certas qualidades que não residem propriamente nos objetos, mas no sujeito – esse seria o caso das chamadas “qualidades secundárias” (como a cor, a dureza, sons e outros atributos que dependem das capacidades perceptórias de indivíduos dotados de um aparato sensível como o nosso). Alguns filósofos chegaram a questionar completamente a distinção; segundo esses filósofos, nenhuma qualidade que atribuímos aos objetos é puramente objetiva (Hume, por exemplo, concluiu que mesmo as chamadas “qualidades primárias” – como extensão e medida – seriam dependentes do sujeito). Partindo disso, Kant concluiu que nada sabemos dos objetos tais como eles seriam independentemente de nossa sensibilidade e de nossos modos próprios de cognição. Esse idealismo peculiar a Kant sofreu críticas, todavia, nada convergentes, entre outros, de Schopenhauer e Hegel. De fato, os filósofos modernos nunca entraram em acordo sobre esse tema, daí as diversidades entre os sistemas conhecidos por “idealismo” e “realismo”, legados pela tradição.
Na filosofia contemporânea, o tema foi abordado por filósofos tanto da tradição “analítica” como da tradição “continental”. A distinção é estudada atualmente em teoria do conhecimento e da percepção. Por exemplo, seriam nossas percepções objetivas, isto é, seríamos por meio delas capazes de capturar aspectos objetivos do mundo externo, ou seriam elas apenas capazes de nos proporcionar experiências puramente subjetivas? Em havendo percepções objetivas, haveria algum tipo de percepção exclusivamente subjetiva? Seria esse o caso das percepções que nos proporcionam o que chamamos de “senso estético”? Ora, mesmo nesse caso, como explicar a distinção notória entre os juízos estéticos de novatos ou inexperientes comparados ao juízo dos experts? Seriam os experts indivíduos capazes de capturar aspectos objetivos ou seriam eles apenas sujeitos que desenvolveram, de forma quiçá eficiente, uma certa capacidade, eventualmente algo sofisticada, de influenciar o julgamento estético de outras pessoas? Além disso, qual a relação entre propriedades objetivas, especialmente aquelas que podem ser descritas como derivadas de propriedades físicas – e químicas – e aquelas qualidades maculadas por nossos vieses subjetivos ou mesmo pela subjetividade inerente a toda percepção? A distinção entre ‘objetivo’ e ‘subjetivo’ também se reflete na polêmica entre realistas e empiristas construtivos acerca da melhor explicação sobre nossas práticas científicas. Seriam os enunciados científicos sobre entidades não-observáveis dotados de objetividade ou seriam tais enunciados apenas meras “aproximações empíricas”? Neste caso, como poderíamos traçar diferenças entre viés e objetividade em ciência?

O problema da distinção entre ‘subjetivo’ e ‘objetivo’ estende-se igualmente para a filosofia da moral, sendo uma das pautas do debate entre realistas e antirrealistas em ética. Está no cerne da disputa entre subjetivistas, relativistas e objetivistas sobre o juízo moral. Filósofos morais de orientação naturalista divergem sobre em que poderia residir a objetividade dos juízos morais, ou se, ao contrário, todo juízo moral, sendo subjetivo, referir-se-ia apenas a nossos desejos ou preferências. Essas, entretanto, não poderiam ser apenas efeitos idiossincrásicos; afinal, em que poderia se apoiar a base de acordos morais caso todo juízo correto pudesse variar de forma aleatória? E quanto aos direitos humanos: seriam eles nada mais que aspirações subjetivas, ou seriam tais direitos ancorados em certos aspectos objetivos da condição humana?

Esses e temas correlatos serão objeto de discussão durante o evento e convidamos os interessados a submeterem contribuições.

São estimuladas comunicações em três áreas fundamentais:
A) Objetividade e subjetividade em ética. B) Objetividade e subjetividade em teoria da racionalidade, estética, filosofia da linguagem e teoria da percepção. C) Objetividade e subjetividade em política e direitos humanos.

Convidados estrangeiros confirmados: 
Barry C. Smith (Institute of Philosophy of the School of Advanced Study, University of London, UK); Cain Todd (Lancaster University, UK); Enrique del Percio (Universidade de Buenos Aires).

organização: PPG Filosofia da Unisinos
apoio: Capes
instituição: PPG Filosofia da Unisinos

inscrições: A partir de setembro de 2011
submissões: Até 30 de setembro de 2011

Data limite para envio de resumos (até 500 palavras): 30 de Setembro de 2011. Os resumos submetidos serão avaliados pelo Comitê Científico do evento e a resposta será enviada por email até 15 dias da data de envio de forma a permitir aos aprovados a busca por financiamento.

Envie submissões para:
xivcoloquiofilunisinos2011@gmail.com
local: Campus Unisinos São Leopoldo
Av. Unisinos, 950. São Leopoldo - RS
contato: 51 3590-8781

Nenhum comentário:

Pesquise artigos filosóficos na internet

Loading