segunda-feira, 31 de dezembro de 2018

Mitologias II



Mitologias II

Continuando a análise da obra “Mitologias” de Roland Barthes, colocamos mais um trecho:

Se me contento aqui com um esboço sincrônico dos mitos contemporâneos, é por uma razão objetiva: a nossa sociedade é o campo privilegiado das significações míticas. É preciso agora dizer por quê.
Quaisquer que sejam os acidentes, os compromissos, as concessões e as aventuras políticas e sejam quais forem as modificações técnicas, econômicas ou mesmo sociais que a história nos traga, a nossa sociedade ainda é uma sociedade burguesa.
Não ignoro que desde 1789, na França, diversos tipos de burguesia se sucederam no poder; mas o estatuto permanece na sua profundidade: um determinado regime de propriedade, uma determinada ordem, uma determinada ideologia. Ora, acontece um fenômeno notável no que diz respeito à denominação desse regime; como fato econômico, a burguesia é denominada sem dificuldade: o capitalismo se declara abertamente como tal. Como fato político, evita-se a denominação: não há partidos “burgueses” na Câmara. Como fato ideológico, desaparece completamente: a burguesia apagou o seu nome passando do real à sua representação, do homem econômico ao homem mental: ela se acomoda com os fatos, mas não “entra em acordos” com os valores, e submete o seu estatuto a um verdadeiro trabalho de eliminar a denominação; a burguesia se define como a classe social que não quer ser denominada. “Burguês”, “pequeno-burguês”, “capitalismo”, “proletariado” são os pontos de uma hemorragia incessante: o sentido se esvai até o nome se tornar inútil.
Este fenômeno de eliminar a denominação é importante, e é preciso examiná-lo um pouco mais detalhadamente. Em termos políticos, a hemorragia do nome burguês se produz por meio da ideia de nação. Foi uma ideia que foi progredindo pouco a pouco e que serviu para excluir a aristocracia; hoje, a burguesia se dilui na nação, mesmo que, para isso, seja necessário rejeitar os elementos que ela considera alógenos (os comunistas). Este sincretismo dirigido permite que a burguesia recolha a garantia numérica dos seus aliados temporários: todas as classes intermediárias, portanto “informes”. Um uso prolongado não conseguiu despolitizar profundamente a palavra “nação”; o substrato político permanece bem próximo, prestes a se manifestar subitamente: existem, na Câmara, partidos “nacionais”, e o sincretismo nominal ostenta assim o que pretendia esconder: uma disparidade essencial. Assim, o vocabulário político da burguesia postula, já que existe um universal: nela, a política é, aprioristicamente, uma representação, um fragmento de ideologia. (2003. p. 229-230)

Em tempos de “escola sem partido”, tratar da questão “ideologia” faz-se necessário. Ideologia é o todo um sistema de ideias que visa legitimar um poder social, político e econômico. Toda sociedade possui uma ideologia predominante o que, por si só, impossibilita qualquer neutralidade. Quando se fala em escola “sem partido” o discurso que ouvimos é que existe um conjunto majoritário de professores (sempre esse grupo maligno) que estaria contaminando os alunos com ideologias esquerdistas como gênero, marxismo, socialismo, comunismo etc. etc. etc., e o projeto escola sem partido visaria eliminar a ideologia das escolas. Isso é uma grande falácia! Primeiro porque a nossa sociedade é predominantemente ideológica, no entanto, a ideologia que predomina, como bem apontou Barthes é a ideologia burguesa. Depois porque o que se pretende combater é única e exclusivamente os ideais da esquerda assumindo-se que uma escola “sem partido” seria uma escola isenta e imparcial. Mas na verdade o que aconteceria com a aprovação do projeto seria perseguição de tudo que fosse diferente à ideologia burguesa, criminalizando qualquer tipo de ideia que fosse diferente à essa ideologia. Por a ênfase nas palavras de ordem e o a defesa do “correto”, quando o mais acertado é a liberdade no educar. A educação deve ser livre, as crianças livres para aprender todo tipo de ideia seja esta ideia a favor ou contra o status quo. O que a criança vai ser deveria depender única e exclusivamente de suas próprias opções a partir do conteúdo oferecido. No entanto, o cenário que temos é de uma verdadeira guerra ideológica em que a ideologia de esquerda é combatida enquanto a ideologia burguesa se oculta na sua “isenção”. Como bem coloca Barthes “a burguesia se define como a classe social que não quer ser denominada”, ou seja, ela se esconde e se oculta na naturalização da ordem e do progresso. E continua, “hoje, a burguesia se dilui na nação, mesmo que, para isso, seja necessário rejeitar os elementos que ela considera alógenos (os comunistas)”, de maneira que a defesa do Estado se faz pela ideologia burguesa, que nunca se assume e faz parecer com que todo o resto contrário às suas ideias seja tomado como ideológico. Um jogo de ocultação em que poucos conseguem ver as cartas atrás das mangas burguesas.

Luiz Maurício Bentim da Rocha Menezes

Nenhum comentário:

Pesquise artigos filosóficos na internet

Loading