segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Feixe Temporal (ou esboço sobre o nós)






Quem somos nós senão seres repletos de solidão? Como posso eu, portanto, falar de um nós já que o outro que me correspondo me é tão desconhecido e somos intransmissíveis em nosso sentimento? A Comunicação, desse modo, parece algo infrutífero, senão impossível! No entanto, tentamos desesperadamente nos comunicar...
E se o problema está no sentimento, em como transmiti-lo, a resposta também parece vir dele. O Amor se assemelha a um desses momentos em que duas solidões tentam se encontrar e se relacionar. Mas o quanto de nós pode ser transmitido ao outro? Não seria algo enganoso dizer que nos ‘unimos’ ao outro, que há, de fato, uma troca entre dois seres? O que eu sinto me parece tão propriamente meu, tão incomunicável ao outro, que me parece impróprio falar de um ‘nós’. Entretanto, se não há um nós como pode haver amor? Quando eu digo ‘eu te amo’, é preciso que haja um outro que seja objeto desse amor. Mas o que é esse outro que amo e que nada dele pode ser por mim conhecido? Como hipótese para um esboço do caminho a ser percorrido, se quisermos alcançar uma resposta, proponho o feixe temporal.


Vivemos em uma realidade temporal que chamamos de nossa e a presentificamos em nossas mentes. O passado dessa realidade é memória e o futuro a ordem posterior dos acontecimentos. A esse ente que atravessa essa realidade temporal chamamos de ‘eu’, isto é, uma unidade psíquica conhecida também como ‘indivíduo’. O que aconteceria se pudéssemos colocar, ao invés de uma, múltiplas realidades temporais? Teríamos inúmeras possibilidades para esse eu, de modo que ele não poderia mais ser chamado de indivíduo, já que não mais seria uno. Esses múltiplos ‘eus’ compõem um feixe temporal:

Eu (Feixe Temporal)

Se pudéssemos, em hipótese, partir do centro desse feixe para qualquer uma das direções teríamos diante (atrás, do lado, em cima, etc.) inúmeras possibilidades que nunca esgotariam a novidade existente do mundo. Estaria o eu nascendo a cada momento para a eterna novidade do mundo. Tomar uma nova direção é escolher um outro caminho em que novas experiências nos abririam e uma realidade temporal diferente da anterior nos seria possível. O que esperar dessa realidade? Impossível dizer, mas com certeza algo totalmente inesperado.
Somos uma existência (ou seriam existências?) ainda inexplorada, presos a uma única realidade temporal que nos faz indizíveis todas as outras possíveis realidades. Que seria de nós se nos arriscássemos a viver algo novo, realmente estrangeiro, que nos viesse visitar e nos levar toda a nossa tranquilidade, toda a comodidade que nos cerca? Provavelmente sentiríamos tamanho incômodo que iríamos querer que o estrangeiro fosse logo embora e nos abandonasse para que pudéssemos novamente viver ‘em paz’. Mas a que preço? Por que devemos estar presos sempre ao mesmo, sem explorar as diversas realidades que nos apresenta a vida? Quão perspicaz é o prisioneiro de Poe em “O Poço e o Pêndulo” que explora cada detalhe de sua cela, mesmo que isso signifique arriscar sua vida. Nós, que não somos prisioneiros, vivemos presos aos mesmos hábitos, aos mesmos gostos, aos mesmos caminhos... Não deveríamos dar uma oportunidade para a vida e a gama de possibilidades que essa nos pode apresentar?
O Amor é um daqueles momentos ricos onde o estrangeiro vem nos visitar, que devemos arriscar seguir o novo e viver uma nova realidade temporal. Estamos todos em transição, em constante transformação; é incerto o que podemos encontrar a nossa frente. Podemos avançar por caminhos difíceis e tortuosos rumo a temporalidades diferentes. E o que pode acontecer disso? Talvez o encontro de solidões ricas em experiências, que não temem o estranho estrangeiro, juntas possam olhar para a Beleza da vida e, com isso, possam encontrar um no outro o momento eternizado por Winckelmann nas palavras de Thomas Mann em que “existe um só momento em que a pessoa bela é Bela”. Talvez disso dependa a nossa própria felicidade.

Nenhum comentário:

Pesquise artigos filosóficos na internet

Loading